Voltar para lista de notícias

A Capital Energy planeia investir mais de 100 milhões de euros para desenvolver três instalações renováveis na Comunidade Valenciana

Por: Capital Energy · 22 Dec 2020

Juan José Sánchez, CEO de Negocio
  • A empresa está a promover dois parques eólicos de 37,4 megawatts (MW) de potência cada um em Castellón e uma central fotovoltaica de 50 MW em Valência, todos pendentes de consulta pública.
  • Estas instalações de energias renováveis da Capital Energy, as primeiras que a empresa porá em marcha na região, poderão fornecer energia limpa a mais de 109.300 residências e evitarão a emissão para a atmosfera de mais de 116.600 toneladas de CO2 por ano.
  • Os parques eólicos e a central fotovoltaica irão criar cerca de 625 postos de trabalho durante a fase de construção e terão um impacto económico anual nos cofres locais, assim como através dos contratos de arrendamento, da ordem dos 825 mil euros.

Valência, 22 de dezembro de 2020.- Capital Energy, empresa espanhola nascida em 2002 e cuja vocação é converter-se no primeiro operador 100% renovável verticalmente integrado da Península Ibérica, continua a dar passos para consolidar seu projeto de energias limpas na Comunidade Valenciana, onde prevê investir 100,2 milhões de euros durante 2021 para desenvolver dois parques eólicos (Sabatera e Barcella) e uma central fotovoltaica (Ayora).

Estes projetos renováveis da Capital Energy, os primeiros a serem lançados na região e que aguardam consulta pública, terão cerca de 125 MW de potência combinada e poderão fornecer cerca de 292.000 megawatts hora (MWh) de energia limpa por ano, o equivalente ao consumo de mais de 109,3 mil residências na região, e evitar a emissão anual para a atmosfera de mais de 116.600 toneladas de CO2.

Os parques eólicos e a central fotovoltaica promovidos pela empresa nesta comunidade autónoma, em linha com o seu compromisso com a transição energética ecológica e justa, irão possibilitar a criação de cerca de 625 postos de trabalho nos períodos de pico da sua construção, dando emprego permanente a cerca de 35 profissionais da área na fase de operação e manutenção.

Da mesma forma, terão um impacto económico anual nos cofres locais (IBI e IAE), assim como através dos contratos de arrendamento, na ordem dos 825.000 euros. A este montante recorrente juntam-se os pagamentos pontuais do ICIO, que ascenderão a outros quase 3,25 milhões de euros.

Dois parques eólicos em Castellón e uma central fotovoltaica em Valência

Parque eólico de Sabatera:

Localizado nos municípios de Tirig e Salzadella, em Castellón, contará com uma potência instalada de 37,4 MW e envolverá um investimento de 35,2 milhões de euros. Conseguirá produzir mais de 93.300 MWh e cobrir o fornecimento anual de eletricidade a quase 35.000 residências, evitando a emissão para a atmosfera de mais de 37.300 toneladas de CO2 por ano.

Durante a sua construção, poderá gerar até 216 empregos e, em seguida, necessitará de sete profissionais para a fase de operação e manutenção. Pagar pontualmente um ICIO de quase 1,1 milhões de euros e deixará nos cofres locais, assim como através dos contratos de arrendamento, 276.000 euros por ano.

Parque eólico de Barcella:

Também localizado nos municípios de Tirig e Salzadella, em Castellón, terá uma capacidade de 37,4 MW e envolverá um investimento de cerca de 35 milhões de euros. Irá produzir mais de 107.300 MWh por ano, cobrindo o fornecimento de eletricidade a mais de 40.200 residências e evitando a emissão para a atmosfera de quase 43.000 toneladas de CO2.

Durante a sua construção, poderá gerar até 216 empregos e, em seguida, necessitará de sete profissionais para a fase de operação e manutenção. Pagará pontualmente um ICIO de quase 1,1 milhões de euros e deixará nos cofres locais, assim como através dos contratos de arrendamento, 276.000 euros por ano.

Central fotovoltaica de Ayora:

Está localizada no município valenciano homónimo e exigirá um investimento de cerca de 30 milhões de euros. Graças a uma capacidade instalada de 50 MW e uma produção anual de quase 91.000 MWh, poderá fornecer energia limpa a mais de 34.100 residências da província, evitando também a emissão para a atmosfera de quase 36.400 toneladas de CO2.

A sua construção permitirá a criação de até 192 postos de trabalho e o seu arranque, 20, que irão ocupar-se da operação e manutenção. Pagará pontualmente um ICIO de quase 1,04 milhões de euros e deixará nos cofres locais, assim como através dos contratos de arrendamento, 271.000 euros por ano.